Servidores e bolsistas do MTB têm trabalhos aprovados em congresso

Publicado em 01 Jun 18


As pesquisas apresentadas vão enfocar projetos, exposições e ações do Théo Brandão

 

Anna Sales – estudante de Jornalismo

 

Os servidores e bolsistas do Núcleo de Ação Educativa e Pesquisa (NAEP), do Museu Théo Brandão (MTB) tiveram trabalhos aprovados para o “8º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária”, que vai acontecer em junho, em Natal, no Rio Grande do Norte. Ao todo, quatro pesquisas foram inscritas, tendo como temas principais as áreas educativa e cultural.

 

O acadêmico em Dança, Maciel Ferreira, procura mostrar em seu estudo, que a interação público-artista não pode ficar limitada à apreciação. O estudante focou sua pesquisa na “Mostra Poéticas e Talentos Coreográficos”, projeto ocorrido no MTB, no qual ao final de cada apresentação, havia uma roda de conversa com o público. O artista ouvia impressões, críticas, elogios e diversas leituras acerca de sua criação. A mostra contou com a participação de 18 artistas e público de mais de 200 pessoas.

 

Já as bolsistas Camila Oliveira e Letícia Romariz procuraram trazer uma abordagem pedagógica entre Rap e cordel, a partir da exposição temporária “Xilogravura e Poesia: a arte de Enéias Tavares dos Santos”, realizada no MTB. Tendo como público majoritário jovens e adolescentes da zona urbana, o desafio da pesquisa estava no fato do cordel ser algo remetente ao interior e aos tempos passados, que é uma realidade diferente do público frequentador da exposição.

 

Os estudantes Hugor Soares e Viviane Lima vão debater as questões da cultura alagoana, os desafios da falta de valorização do artista local e de como e por que nossas próprias produções culturais, por vezes, parecem alheias a nós mesmos, a partir da exposição temporária “Xilogravura e Poesia: a arte de Enéias Tavares dos Santos”. Na mediação, eles tentaram promover a interação com as linguagens artísticas (xilogravura e cordel) e refletir meios de dar relevância e sentido de continuidade a elas.

 

As servidoras Caroline Ribeiro e Iraci dos Santos mostraram em sua pesquisa que, nos seus 40 anos de existência, o Museu Théo Brandão vem se mostrando cada vez mais comprometido com a democratização e a difusão de conhecimentos nas áreas da Antropologia, do folclore e da cultura popular, a partir de seus programas, projetos e ações.





Esse artigo foi lido 95 vezes!




Siga-nos no Facebook




Leia Também


Fórum Zumba, Théo, Djavan e você no MTB



MTB exibe documentário sobre os índios Tupinambá



Bloco “Filhinhos da Mamãe” homenageia Nise da Silveira