Coordenação de Assuntos Culturais apresenta novo diretor do MTB

Publicado em 09 Mar 18


José Acioli assume com o desafio de retomar as atividades voltadas à sociedade

 

Simoneide Araújo - jornalista 

 

O professor José Acioli Filho é o novo diretor do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore da Universidade Federal de Alagoas. Ele foi apresentado à equipe na última quarta-feira (7), pelo coordenador de Assuntos Culturais, Ricardo Cabús, e tem como desafio trazer de volta as atividades regulares e a abertura da exposição permanente, com rico acervo da cultura popular.

 

Essa é a meta de Cabús e da Gestão da Universidade. “Vamos abrir o museu, em breve, para trazer as escolas e a comunidade para esse equipamento cultural, símbolo da cultura popular em Alagoas. Queremos aumentar o vínculo da Ufal com a sociedade e, para isso, vamos ampliar as oportunidades, abrindo nossos equipamentos também nos fins de semana”, anunciou.

 

O coordenador da CAC lembra que as obras emergenciais de infraestrutura já foram iniciadas no museu e, em breve, serão concluídas. “Estamos fazendo o possível para retomarmos as atividades para a comunidade externa. Não queremos deixar fechada essa parte que trata da relação entre o conteúdo do museu e a sociedade. Claro que abriremos com toda segurança necessária para seu funcionamento”, completou.

 

A escolha de Acioli, segundo Cabús, se deu por ele ser uma pessoa ativa e geradora de conteúdo artístico. “Acioli tem grande experiência na área artístico-cultural e tem muito a contribuir com o museu e com a nossa Universidade”, revelou.

 

Quem é Acioli Filho

 

Acioli Filho é professor do Instituto de Ciência Humanas, Comunicação e Artes (Ichca) da Ufal, pesquisador, cenógrafo, artista visual e bonequeiro. Ele trabalha com teatro de animação, formado em artes plásticas, com especialização sobre arquitetura barroca em Marechal Deodoro. O mestrado e o doutorado são na área de educação e teatro de animação. “Sou do Departamento de Artes da Ufal e leciono em todas as disciplinas ligadas à visualidade nos cursos de Teatro, Dança e Música”, declarou.

 

O novo diretor disse que quer o diálogo aberto com sua equipe, ouvir cada um, saber as demandas e conhecer a memória dos projetos desenvolvidos no museu. “Com isso, queremos construir um programa anual de atividades, contemplando projetos já consolidados e novos. Quero trabalhar no museu com a mesma metodologia que aplico em sala de aula: a colaborativa. Vamos propor, circular ideias, dialogar e apresentar o que há de melhor no museu”, destacou.

 

E completou: “Sei das dificuldades, mas vamos tentar superar o que consideramos obstáculos. Saber o que cada um pode fazer e o que podemos fazer em conjunto. Nossa proposta é abrir o museu, com segurança, com responsabilidade. Não se trata só de abrir as portas. Vamos abrir com planos e projetos. O que queremos é que esse equipamento cultural continue sendo reconhecido pela sociedade, porque é para ela que nós trabalhamos”.





Esse artigo foi lido 195 vezes!




Siga-nos no Facebook




Leia Também


Museu Théo Brandão lança edital para seleção de bolsistas



Abertas as inscrições para oficina de dança no Museu Théo Brandão



Cineclube Théo exibe “Monstro que nada” e “Bumba meu Jaraguá”