Da preservação ao compartilhamento: fotografia e o delineamento de novas práticas museais no Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore

Publicado em 16 Jun 20


*Fernanda Rechenberg, Iara Ferreira de Souza e Tayná Almeida de Paula

 

Esta pesquisa discute práticas de restituição nas instituições museais a partir do trabalho de compartilhamento de um conjunto de fotografias do acervo do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore (MTB) da Universidade Federal de Alagoas. Da totalidade deste acervo selecionamos a subsérie “Guerreiro”, a qual documenta um dos folguedos mais emblemáticos do estado de Alagoas. Ao passo que estas fotografias são produtoras de sentido em um contexto intelectual específico, os movimentos nacionais e regionais em defesa e promoção do folclore, sabe-se também que o enquadramento classificatório e informacional nos objetos musealizados é sempre transitório e processual. As entrevistas com brincantes, mestres e donas de grupos de Guerreiros em atividade em Maceió ampliaram as possibilidades interpretativas desta coleção, ao inscreverem questões como condições de vida, migrações, papéis de gênero e autoria, oportunizando ainda, reflexões que conduzem ao delineamento de novas práticas museais.

 

*Fernanda Rechenberg é professora adjunta do Instituto de Ciências Sociais e do Programa de Pós Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Alagoas; Iara Ferreira de Souza é mestre em Antropologia Social pelo Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, da Universidade Federal de Alagoas e Tayná Almeida de Paula é mestranda em Antropologia Social pelo Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, da Universidade Federal de Alagoas.

 

Leia o texto completo no link abaixo:

 

DOI: https://doi.org/10.36572/csm.2020.vol.59.03





Esse artigo foi lido 110 vezes!




Siga-nos no Facebook




Leia Também


Entre o museu e o carnaval: circulação e usos sociais de um objeto



Identidade, narrativa e emoção no Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore



Coleção afro-brasileira do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore da Ufal