Designer realiza exposição inspirada na Ilha do Ferro

Publicado em 15 Jul 15


Jacqueline Batista - jornalista

 

A arte da Ilha do Ferro, a paisagem, as cores, sua gente e os costumes locais serviram de inspiração para o trabalho da designer Amanda Soares. A característica peculiar da região provocou o impulso criativo da artista para produzir estampas com a temática do povoado. O resultado são imagens que puderam ser vistas na exposição “Ilha do Ferro: uma iconografia do povoado”, entre os dias 10 de abril e 25 de julho de 2015.

 

O trabalho desenvolvido por Amanda faz referência às esculturas em madeira, ao bordado Boa Noite (a outra arte produzida no local), à arquitetura urbana da ilha, ao ato criativo dos artistas locais, às flores, à caatinga, ao solo rachado, entre outros aspectos do lugar.

 

A mostra, cuja curadoria foi assinada pelo ilustrador Pedro Lucena, teve dois ambientes distintos. Logo na entrada, o espaço “Conhecendo a Ilha” exibiu fotografias panorâmicas da Ilha do Ferro, clicadas pela artista. Na etapa seguinte, foram apresentadas as 19 estampas, impressas em tecido, com legenda explicativa. Algumas dessas estampas puderam ser vistas também em fotografias de um editorial de moda, produzido pela designer.

 

A Ilha do Ferro, povoado de Pão de Açúcar, é conhecida pela riqueza do artesanato produzido por lá. A madeira encontrada na região (no Rio São Francisco), com galhos retorcidos, é a matéria prima de trabalhos que têm como maior expoente o artista Fernando Rodrigues, falecido em 2009. Mestre Fernando fez da sua arte um legado, perpetuado por seguidores como Mestre Valmir.

 

O trabalho da artista foi o único classificado para exposição temporária em 2015. A designer participou da seleção através do edital publicado no final de 2014, com o objetivo de escolher dois trabalhos para exposições de curta duração.  Amanda, que havia acabado de apresentar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), na Ufal, com o tema “Apresentando a Ilha do Ferro à cultura local através do design de superfície”, não pensou duas vezes em aproveitar a oportunidade para expandir seu trabalho para além dos muros acadêmicos.

 

Conheça a artista

 

Desde a infância, Amanda é apaixonada por moda. Aos 16 anos de idade, começou a customizar as próprias roupas. Com 18 anos, fez um curso de corte e costura. Por isso, em seu TCC, a designer optou por apresentar essas estampas em roupas como camisetas e vestidos. Para a exposição do Museu, além do vestuário, a artista também imprimiu suas estampas em pôsteres, capas de celulares e adesivos (itens que ficaram à venda na abertura da exposição).

 

A artista afirma que o seu projeto se propõe a unir a cultura local e a criação em Design. Essa combinação da cultura tradicional com um projeto contemporâneo rendeu uma nova leitura à iconografia do povoado.

 

“Era preciso fazer a conexão de forma satisfatória. Ao buscar elementos da cultura tradicional que se transformem em imagens contemporâneas, por meio de estampas, traduzimos a cultura local para o mundo globalizado, levando nossa identidade mesmo que de forma subjetiva, para que Alagoas e demais estados vejam nossa cultura sob outra perspectiva”, ressaltou Amanda.





Esse artigo foi lido 80 vezes!




Siga-nos no Facebook




Leia Também


Artista Petrônio Farias é ganhador do Gustavo Leite 2014



Exposição "As 50 histórias que minha avó contava"



Indígena alagoano é destaque em exposição no MTB