3º Festival Théo Brandão de fotografias e filmes etnográficos é realizado no MTB

Publicado em 06 Nov 18


O evento acontece nos dias 8 e 9 de novembro


Anna Sales – estudante de Jornalismo


Nos dias 8 e 9 de novembro, acontecerá o 3º Festival Théo Brandão de fotografias e filmes etnográficos, com a exibição de produções etnográficas durante a manhã, a partir das 9h, e à tarde, a partir das 14h. Paralela ao Festival, ocorrerá a mostra fotográfica “Culturas Ancestrales - Conexión Selk´nam”, assinada pela fotógrafa chilena Dayna Osorio.

 

A intenção do Festival é reunir produções fílmicas e fotografias etnográficas, valorizando trabalhos que dão visibilidade e reconhecimento às produções no campo da etnografia visual.

 

Na quinta, 8, serão exibidos os filmes “Morros vivos” (manhã), “A lenda cotidiana” e “Sobrevivências” (tarde). No dia 9, sexta, poderão ser vistos os filmes “Sofrimentos, lutas e conquistas de um povo guerreiro” e “Tudo vai pela lua” (manhã). Durante à tarde, serão exibidos “Estórias de vida na paisagem dos campos sulinos” e “Nos passos tão longos”.

 

Fotografias

 

As fotografias do Festival serão exibidas no dia 9, às 14h, juntamente com a mostra fotográfica “Culturas Ancestrales - Conexión Selk´nam”. Dayna Osorio, educadora social e especialista em desenvolvimento sociocultural, realizou um trabalho que tenta resgatar a existência, os ritos e a visão de mundo do povo original da Patagônia, um grupo de paleoíndios que viveu na Terra do Fogo, no sul do Chile, até o final do século XIX, quando começou sua extinção com a chegada das missões europeias e, com isso, o aparecimento de caçadores. O trabalho integra visões das contribuições de dois antropólogos de referência, os únicos que registraram de forma visual e etnográfica a este povo nômade das águas do Pacífico, que possuem uma grande riqueza como comunidade, refletida em seus ritos.

 

O evento é uma realização do Museu Théo Brandão (MTB), do Laboratório de Antropologia Visual em Alagoas (AVAL) e do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (PPGAS).


Confira as sinopses dos filmes:

 

Morros vivos: O documentário investiga a relação entre seres humanos e não-humanos que coabitam os Morros Vivos do povoado Pixaim, que fica localizado sobre as dunas da APA de Piaçabuçu, município do litoral sul do estado de Alagoas, que é o último território banhado pelas águas do Rio São Francisco. Produzido a partir de uma pesquisa etnográfica, o filme faz uma abordagem sobre as dinâmicas dos processos que envolvem a transmissão de conhecimentos, memórias, fluxos e reciprocidades, para mostrar a relação de simetria entre os seres que compartilham a construção da vida.

 

A lenda cotidiana: Três contos da "Pedra da Torre", a moradia dos encantados, narrados por Augusta e Amélia, irmãs gemêas, do povo Pitaguary, do Ceará. As histórias contam, tecem e recontam, através destas anedotas da tradição e memória, o fantástico cotidiano Pitaguary. O filme foi gravado no ano de 2016 com o povo indígena Pitaguary, na aldeia da Monguba/Pacatuba e faz parte de um projeto relacionado aos registros audiovisuais para o Museu Indígena Pitaguary. O curta-metragem ainda contou com o roteiro da liderança indígena Rosa Pitaguary.

 

Sobrevivências: Indiferentes aos tempos modernos, práticas culturais antigas sobrevivem na cidade de Quebrangulo (Alagoas). O filme foi realizado a partir de pesquisa da professora Francisca Maria Neta, do curso de 

História da Uneal - Universidade Estadual de Alagoas (Palmeira dos Índios, campus III).

 

Sofrimentos, lutas e conquistas de um povo guerreiro: Este filme conta a história da tribo indígena Tingui Botó, situada no município de Feira Grande (Alagoas), que lutou muito para conseguir a demarcação de parte de suas terras.

 

Tudo vai pela lua: O filme trata da relação de um pescador com a natureza: o mangue, a maré, os peixes. Severino é um índio potiguara da aldeia Jaraguá, situada no Litoral Norte da Paraíba, Vale do Rio Mamanguape. Pescador de "tomada" desde menino, no movimento da maré, do rio, do mangue, das croas e camboas, apresenta-nos o rio, a técnica de pesca e o ritmo de sua vida, regido pelo movimento da maré e da força das estações da lua. "Tudo vai pela lua" combina uma câmera suave, quase deslizante, que acompanha o ritmo lento da maré e da pesca de mangue, com uma câmera ativa, mostrando a vida diária do personagem.

 

Estórias de vida na paisagem dos campos sulinos: O filme mostra a vida nas cidades de Tainhas e Criúva (Rio Grande do Sul), a partir dos hábitos de antigos moradores das regiões. O documentário também mostra a festa de louvor ao Divino Espírito Santo e a produção de queijo na cidade de Criúva.

 

Nos passos tão longos: O documentário retrata a peregrinação para Juazeiro do Norte (Ceará), a partir da chegada dos romeiros lá. A cidade é famosa pela peregrinação de religiosos para encontrar Padre Cícero e o filme acompanha os passos dessas pessoas que estão ali por sua fé.

 

 

SERVIÇO:

 

O quê: 3º Festival Théo Brandão de fotografias e filmes etnográficos e Mostra fotográfica “Culturas Ancestrales - Conexión Selk´nam”

Onde: Museu Théo Brandão

Quando: 8 e 9 de outubro, 9h e 14h.

Entrada gratuita





Esse artigo foi lido 127 vezes!




Siga-nos no Facebook




Leia Também


Inscrições abertas para oficina de Design Thinking no Museu Théo Brandão



Abertas as inscrições para oficina de dança no Museu Théo Brandão



Reabertura da exposição permanente do MTB é comemorada com festa junina